Motorista técnico é tradição de família

Motorista técnico é tradição de família

André Pereira tem orgulho de ser motorista e ver que vivencia uma sucessão familiar. Seu pai, Francisco Pereira, se aposentou como motorista na CERSUL (Cooperativa de Distribuição de Energia). Seu pai foi um dos primeiros motoristas, quando a cooperativa tinha dois caminhões Chevrolet. Agora André tem 22 anos de história e é o responsável pelo caminhão 78, um dos quatro caminhões grandes da frota, que se somam a um quinto que está em preparação, além de outros dois menores, mais as camionetes.
André se considera uma pessoa realizada em sua profissão por fazer algo que gosta. Motorista de carteira C, pode acompanhar a evolução dos caminhões e equipamentos da CERSUL, assim como pode fazer sua evolução pessoal. Além de se capacitar para dirigir caminhão, concluiu o ensino médio, cursou o técnico em eletricidade e fez outros treinamentos que lhe deram oportunidade de capitanear a equipe do caminhão 78, seu terceiro caminhão ao longo da história da cooperativa.
Para André, é uma responsabilidade com satisfação ser o motorista do muck. Em sua rotina, tem a responsabilidade de ver qual o projeto a ser efetuado naquele dia, debater com o encarregado, fazer o carregamento dos materiais, analisar o local do serviço e ver como efetuá-lo junto da equipe, geralmente composta com cinco pessoas. “Há uma responsabilidade grande, porque o trabalho com a energia elétrica demanda bastante cuidado, mas é muito satisfatório cumprir com nossa missão”, constata o profissional.

 

Matéria a pedido do jornal Volta Grande para o Caderno do Dia do Motorista/Colono 

Dia do Motorista: 25 de julho